Esko fala de exposição UV LED na CIF 2019

Esko fala de exposição UV LED na CIF 2019


A Esko é um importante player da indústria flexo e confirmou presença na Conferência Intercontinental de Flexografia 2019, a CIF, dias 4 e 5 de setembro, em São Paulo. O evento oficial da ABFLEXO/FTA-Brasil vai reunir especialistas em conversão para dois dias de debate sobre os caminhos do mercado.

O coordenador de hardware da Esko na América Latina, Javier Faure Albanese, da Argentina, vem para o Brasil tratar do tema “O futuro da flexografia chegou - aumento da qualidade e consistência através da exposição UV LED”. Na palestra, serão abordadas as mais modernas tecnologias de automação do processo de gravação de clichês com a exposição principal e posterior, com simplificação mediante um fluxo de trabalho consolidado, reduzindo as etapas manuais, erros e tempo do operador, ganhando maior produtividade.

Na visão de Leonardo Cruz, Diretor Geral da América Latina na Esko, a CIF é um momento de troca de informações: “Debater, compartilhar e analisar o rumo do mercado flexográfico vêm sendo cada vez mais importante devido ao crescimento constante de um mercado de conversão de outros sistemas de impressão, dedicado a embalagens. Novas tecnologias e conhecimentos são sempre base essencial ao desenvolvimento de mais qualidade e produtividade. Termos estes 100% conectados a um mercado cada mais abrangente e exigente”.

A Esko vem aumentando sua participação na região, ressalta Leonardo: “Tanto o Brasil como América Latina são hoje focos principais em crescimento constante em novas implementações e projetos para Esko. Do mesmo modo, notamos uma flexibilidade avançada em adaptações constantes devido às fragilidades de economias cada vez mais desafiadoras. E mesmo assim, estas regiões seguem em números positivos ano após ano, mostrando ser caminho correto a mais cobertura e ações de desenvolvimento e parcerias”.

Os números positivos vêm especialmente de empresas que automatizaram etapas do processo: “A economia local e competitividade para atender o "Time to Market" são as engrenagens principais aos resultados de qualquer mercado de embalagens. Automatizar hoje é praticamente conseguir se manter nesta competição desafiadora. Em média, a escolha e procura por produtos de automatização vem crescendo de 20 a 30% ao ano em comparação a outras soluções”, reforça o especialista da Esko.

A Esko busca sempre 4 bases de necessidades do mercado flexográfico, para desenvolver suas soluções:

1º Redução de erro de processo, dificuldades de desenvolvimento, gestão de projetos, controle de sistema.
2º Aumento de produtividade com redução de números de horas em determinadas tarefas.
3º Busca de diferenciais, novidades e tecnologias modernas para ampliar as vantagens no mercado competitivo.
4º Redução de custos, ampliando suas margens de lucro.

Em 2019, a Esko explica que seu foco está em produtos como:

Automation: Automatização de fluxos de pré-impressão, reduzindo ações repetitivas que são hoje os principais causadores de erros no processo. Fluxos inteligentes centralizam conhecimento em um processo automático e integrado a diversas etapas. Hoje, mais de 70% das Clicherias no Brasil já trabalham com Automation.

ArtPro Plus: Editor, com trappings inteligentes e total preparação dos arquivos para se adequarem ao mercado flexográfico. De acordo com a Esko, os operadores desenvolvem em pelo menos 60% mais velocidade utilizando soluções como ArtPro+, ao se comparar a softwares de design. Muito conhecido no mercado, mesmo sendo um dos produtos mais antigos, segue com vendas em crescimento constante.

Equinox: O processo de Gama Expandida vem sendo um dos pontos mais debatidos e procurados no mercado flexográfico. A Esko há mais de 10 anos vem desenvolvendo processos relacionados a isso. “Hoje o Equinox é não só uma ferramenta completa para conversões inteligentes, como a implementação envolve conceitos gerais de G7, Gerenciamento de Cor, tornando os clientes 100% eficazes para avançar neste processo inovador com grande facilidade. Com Equinox, clientes já relatam uma redução de até 50% de maquina parada, o qual devem imaginar a economia que esta redução representa. Não há dúvidas que será umas das soluções mais vendidas nos próximos 5 anos”.

CDI e XPS: Equipamento de gravação de clichê digital, hoje ocupando mais de 68% do mercado global. A CDI atende empresas de etiquetas / adesivos, corrugado, banda larga, Letter Press, clicherias e convertedores podem configurar seus equipamentos conforme as necessidades de cada mercado diferente. “Durante os últimos 3 anos, só no Brasil, mais de 30 empresas trocaram equipamentos antigos/concorrentes pela CDI Esko”, diz Leonardo. O novo modelo Crystal, com sistema integrado a Expositora XPS, é o primeiro equipamento integrando gravação da imagem principal, com exposição frente e verso ao mesmo tempo.

DFS - Digital Flexo Suite: Equipamento de corte de chapas de flexo, com integração ao processo de Gravação, traz além de economia de chapas devido ao corte preciso e seco (apenas um corte para separar diversos trabalhos), como altíssima qualidade no processo para corte de trabalhos irregulares, como adesivos, papel de presente, onde o corte precisa seguir detalhes da imagem gravada. Também atendendo o mercado de Corrugado, com sistemas inteligentes de pré-montagem e desenho de layout, onde o mesmo equipamento prepara a base com identificação precisa na colagem dos retalhos.

Para a Esko, hoje os impressores estão investindo na pré-impressão: “Cada vez mais o cliente está compreendendo que de nada adianta equipamentos de alta precisão, com velocidade e qualidade, se a “raiz”, que é a pré-impressão, não for parte do processo de crescimento e investimentos tecnológicos. Muitos clientes ficavam horas com equipamentos caríssimos parados, por erros simples a serem evitados com ferramentas inteligentes. Mesmo em uma simples substituição de chapa danificada na impressão, o tempo a se produzir uma substituta é fator primordial no cálculo de custos envolvidos. Cada vez mais os convertedores enxergam que a “árvore” (máquinas de impressão) só irá entregar bons “frutos” (trabalhos impressos) se a “raiz” estiver estável e bem cuidada (pré-impressão)”, finaliza Leonardo Cruz.